Bayer anuncia compra da Monsanto por US$ 66 bilhões

A companhia de produtos químicos e de saúde alemã Bayer anunciou nesta quarta-feira (14) ter fechado acordo para a compra da empresa norte-americana Monsanto, líder mundial dos herbicidas e engenharia genética de sementes, por US$ 66 bilhões.
O negócio encerra uma disputa de meses – após a Bayer aumentar a sua oferta pela terceira vez – e tem sido tratado como o maior do ano até agora. Trata-se também da maior compra realizada até hoje por uma empresa alemã.
Em comunicado, as empresas disseram que o "acordo de fusão definitiva" foi aprovado por unanimidade pelos Conselho de Administração da Monsanto, Conselho de Administração da Bayer e Conselho Fiscal da Bayer.
Negócio de gigantes
O acordo cria uma empresa que dominará mais de um quarto do mercado mundial combinado para sementes e pesticidas em uma rápida consolidação da indústria de insumos agrícolas.

Juntas, Bayer e Monsanto se converterão em um gigante mundial com um volume de negócios anual de 23 bilhões de euros (US$ 25,8 bilhões) e quase 140.000 funcionários.
Se concretizado, o negócio deverá criar criará a maior fabricante de insumos agrícolas e sementes do mundo. Segundo o jornal The Wall Street Journal, juntas, as duas empresas controlariam 28% das vendas de herbicidas.
"A transição une duas empresas diferentes, mas fortemente complementares" em termos de sementes, fertilizantes e pesticidas, destaca a Bayer em comunicado, projetando sinergias anuais de US$ 1,5 bilhão após o terceiro ano de operação combinada.
A fusão anunciada nesta quarta-feira é o capítulo mais recente de um processo crescente de concentração na indústria química. Com os preços reduzidos das matérias-primas, as americanas Dow Chemical e DuPont também anunciaram uma fusão no final de 2015. Ao mesmo tempo, a chinesa ChemChina deseja comprar a suíça Syngenta, que por algum tempo foi cortejada pela Monsanto.
O movimento de fusões no setor tem sido motivado pela queda contínua dos preços agrícolas nos últimos três anos, que tem pressionado as empresas do setor.
Termos do acordo
As negociações começaram no primeiro semestre. A Monsanto, que domina o setor de sementes transgênicas de milho, trigo e soja, não se deixou convencer com facilidade.
Em maio, a Bayer fez oferta de US$ 122 por ação, aumentando em seguida para US$ 125. A proposta seguinte, também recusada, foi de US$ 127,50 por ação. O acordo foi fechado por US$ 128 por ação.
"Temos o prazer de anunciar a combinação de nossas duas grandes organizações. Isso representa um grande passo para nosso negócio Crop Science e reforça a posição de liderança global da Bayer como empresa de Ciências da Vida, impulsionada pela inovação e que ocupa posições de liderança em seus principais segmentos, entregando valor substancial aos acionistas, clientes, funcionários e à sociedade em geral", disse Werner Baumann, CEO da Bayer AG.
Já o presidente e diretor-executivo de Monsanto, Hugh Grant, destacou que "o anúncio de hoje é a prova de tudo que conseguimos realizar e do valor que criamos para os nossos acionistas", disse Hugh Grant, presidente e CEO da Monsanto.
A aquisição está sujeita à aprovação de órgãos regulatórios, mas a expectativa é de que a operação seja concluída até o fim de 2017. Pelo acordo, a Bayer também se comprometeu a pagar US$ 2 bilhões em caso de não aprovação por órgãos antitruste.
Maior aquisição
Autoridades antitruste ainda precisam aprovar a fusão. Trata-se do maior acordo de aquisição fechado neste ano e, se concretizada, a maior aquisição já feita por uma empresa alemã, destaca a Deutsche Welle.

Ainda segundo a agência, o acordo supera a fusão da alemã Daimler com a americana Chrysler, em 1998, que rendeu à montadora dos EUA mais de US$ 40 bilhões. A compra da Monsanto também deve ser a maior transação em dinheiro já realizada, superando a oferta de US$ 60,4 bilhões feita pela cervejaria InBev à Anheuser-Busch em 2008.
A Bayer pretende financiar o valor elevado com dívida emissão de ações, mas as agências de classificação já advertiram que a operação vai provocar uma redução na nota do grupo com sede em Leverkusen, destaca a France Presse.

Outras Notícias

Frio se intensifica nesta quarta no Rio Grande do Sul

O frio continua predominando no Rio Grande do Sul nesta quarta-feira. De acordo com a MetSul Meteorologia, a instabil...

Arthur é novidade entre os relacionados do Grêmio para enfrentar o Palmeiras

O volante Arthur está novamente à disposição de Renato Portaluppi. O jogador, que sofreu uma lesão muscular no Gre-Na...

Em jogo fraco, Inter e São Paulo empatam por 0 a 0 no Morumbi

O Inter empatou em 0 a 0 com o São Paulo no Morumbi na noite desta terça-feira na abertura da 10ª rodada do Brasileir...

AL rejeita projeto para plebiscito para discutir privatização de estatais

A Assembleia Legislativa (AL) rejeitou a PL 69/2018 do Poder Executivo que discutia a possibilidade da realização de ...

Dezenas de placas são arrancadas por vândalos na Estrada São Jacó, em Sapiranga

Sapiranga – Mais de 25 placas de sinalização da Estrada São Jacó foram arrancadas no último final de semana. O vandal...

Polícia tenta desvendar morte de sapiranguense encontrado em Novo Hamburgo

Sapiranga/Novo Hamburgo – Um jovem, de 27 anos, foi encontrado morto no último sábado (2) na Praça Pedro Alles, bairr...

Seleção treina hoje na Inglaterra, na preparação para a Copa

Depois de uma segunda-feira de trabalho intenso na parte da tarde, no Centro de Treinamento do Tottenham, em Londres,...

Inter vive semana para consolidar boa fase

De agora até a Copa do Mundo, não há tempo para descanso. Serão cinco partidas em apenas 13 dias, quando o Campeonato...

Jogo contra Fluminense ganha caráter decisivo para o Grêmio

São cinco jogos até a parada da Copa do Mundo. Quinze pontos em jogo dos quais nove o Grêmio disputará em sua casa. E...

Filas, filas e mais filas em postos de combustíveis de Sapiranga e Campo Bom

Sapiranga / Campo Bom – A grande “saga” por gasolina já dura pelo menos 12 horas nesta segunda-feira (28) nos dois mu...