"Fui ordenada a mudar informe do voo da Chapecoense", diz funcionária boliviana

Refugiada no Brasil, a boliviana funcionária da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea (Aasana) em Santa Cruz de la Sierra, publicou carta nesta quinta-feira em que afirma ter sofrido pressão de seus chefes para modificar o informe que tinha realizado para apontar irregularidades no voo que transportaria a Chapecoense. Celia Castedo garantiu ter feito cinco observações no plano de viagem da LaMia, companhia boliviana que transportava a equipe.

O conteúdo da carta foi divulgado na íntegra pelo jornal El Deber. No voo, realizado na madrugada de segunda para terça-feira da última semana, a aeronave não teve combustível suficiente para pousar em Medellín, na Colômbia, e caiu a poucos quilômetros da chegada. "Fui submetida a pressões e perseguições por parte dos meus superiores desde a manhã do dia 20, quando se começa tudo, sendo ordenado para mim modificar o conteúdo do informe que horas antes minha pessoa tinha apresentado internamente", escreveu.

Celia procurou refúgio em Corumbá (MS) por temer acusações e ameaças em seu país. O voo causou a morte de 71 pessoas, 19 delas jogadores da Chapecoense. O elenco fez escala em Santa Cruz de la Sierra, de onde partiu em avião fretado para o noroeste da Colômbia, onde jogaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional.

A funcionária afirmou que pelo cargo que ocupa, não tem autoridade para deter ou impedir a saída de aeronaves. "Devo esclarecer também que o carimbo e a minha assinatura estampadas no citado plano de voo representam um protocolo de recepção do documento", afirmou. Ela escreveu que a responsabilidade final sobre as viagens recai sob a Direção Geral da Aeronáutica Civil da Bolívia (DGAC).

Celia atribuiu a manutenção do relatório ao despachante Alex Quispe, uma das vítimas da queda. Segundo a funcionária, o colega lhe disse que a decisão foi tomada pelo capitão da aeronave. "Ficou demonstrada a intransigência da linha aérea para atender as observações feitas pela minha pessoa", disse.

A boliviana comentou que por ter sofrido pressões em seu país, como a presença obrigatória em uma audiência, pede à opinião pública que compreenda os motivos de ter fugido ao Brasil, onde pediu asilo. "Ao mesmo tempo, desejo expressar meus sentimentos de profunda dor e pesar aos familiares e amigos das vítimas do acidente aéreo do voo LMI2933", afirmou.

Outras Notícias

Juízes que condenaram Lula ganham auxílio-moradia mesmo possuindo imóvel em Porto Alegre

Dois dos três desembargadores do TRF-4 que condenaram o ex-presidente Lula sem provas no caso do triplex do Guarujá t...

Acidente mata três em Eldorado do Sul e interdita a BR 290

Um acidente às 9h20min da manhã deste sábado entre um Fiat Prisma e um caminhão deixou, pelo menos, três pessoas mort...

Atenção: Golpista se passa por assistente social em Sapiranga

Sapiranga – A Prefeitura de Sapiranga, por meio da Secretaria de Assistência Social, alerta para golpista que estaria...

Calor aumenta em sábado ensolarado no RS

O calor aumenta no Rio Grande do Sul neste sábado que deve ser marcado pela grande presença do sol acompanhado de nuv...

EGR admite estudo para reajustar tarifa e lideranças pressionam por melhorias

Região – A pressão da comunidade e das lideranças locais para investimentos que ampliem a segurança ao longo da RS-23...

Em bom jogo, Inter empata com o Corinthians e complica avanço na Copa do Brasil

O Inter fez uma boa apresentação, no maior desafio até aqui da temporada, mas amargou o empate em 1 a 1 com o Corinth...

Depois de chamar chacina em Manaus de ‘acidente’, Temer tenta se explicar nas redes

Após a repercussão negativa da declaração feita mais cedo, quando classificou a chacina no Complexo Penitenciário Aní...

Bayer anuncia compra da Monsanto por US$ 66 bilhões

A companhia de produtos químicos e de saúde alemã Bayer anunciou nesta quarta-feira (14) ter fechado acordo para a co...

Mais Médicos é potencialmente benéfico em qualquer país, diz ONU

O Programa Mais Médicos, implantado pela presidenta eleita Dilma Rousseff em 2013, foi considerado uma das boas práti...

Relator dá prazo de cinco dias para defesa de Cunha

O deputado Marcos Rogério (DEM-RO), relator do processo relativo ao presidente afastado da Câmara dos Deputados, Edua...